Joanna Maranhão fica fora da final dos 200 m medley, e chinesa de 16 anos quebra recorde olímpico

Do UOL Esporte, em São Paulo

  • Satiro Sodre/AGIF

    Joanna Maranhão fica com o 15º tempo e para na semifinal dos 200 m medley

    Joanna Maranhão fica com o 15º tempo e para na semifinal dos 200 m medley

Queda na Vila Olímpica, sangue, ausência nos 400 m medley, estreia, vaga na semi, choro de emoção, eliminação. Os Jogos Olímpicos de Londres foram movimentados para Joanna Maranhão. A brasileira se despediu dos 200 m medley nesta segunda-feira, ao ficar com o 15º tempo das semifinais. As oito mais bem colocadas avançaram para a final.

SENSAÇÃO EM LONDRES, CHINESA DE 16 ANOS QUEBRA RECORDE OLÍMPICO

  • EFE/Hannibal

    Ye Shiwen, de 16 anos, nova sensação da natação mundial, quebrou o recorde olímpico na segunda bateria das semifinais dos 200 m medley, com o tempo de 2min08s39. O tempo anterior era da australiana Stephanie Rice, que havia registrado 2min08s45 em Pequim-2008.

"Foi cansativo, estou com faringite, para respirar está difícil. Acho que foi bom até agora. Queria ter nadado para 2min13, 2min12, mas ainda tem muita coisa pela frente", disse a nadadora, ao "SporTV", depois de nadar a prova em 2min14s74.

Joanna participaria também dos 400 m medley no evento londrino. No entanto, no último sábado, ela se sentiu um mal estar em seu quarto da Vila Olímpica e sofreu uma queda, batendo a cabeça. O incidente resultou em um corte no supercílio, pontos no local, curativo e ausência nos 400 m medley.

Assim, a estreia aconteceu apenas nesta segunda, nas eliminatórias dos 200 m medley, quando registrou o 16º tempo. Ao sair da piscina com a vaga garantida para a semi, ela chorou. "Estou chorando, mas é de felicidade, porque finalmente consegui competir", disse.

Joanna disputa, em Londres, a sua terceira olimpíada. Em Atenas-2004, competiu em três provas e terminou os 400 m medley em quinto, se tornando primeira brasileira a avançar para a final desde Piedade Coutinho, em Londres-1948. Em Pequim-2008, depois de revelar o caso de abuso sexual de um ex-treinador na infância, voltou a disputar três provas, mas não se classificou para a disputa de medalhas.

ANÁLISE: YANNICK AGNEL É ADVERSÁRIO FORTÍSSIMO DE CIELO

Brasileiros em Londres - dia 3
Brasileiros em Londres - dia 3