Federação libera uso de shorts para jogadoras de vôlei de praia na Olimpíada

Do UOL, em São Paulo

  • Ariana Cubillos/AP

    Larissa salta para fazer defesa em partida ao lado de Juliana no vôlei de praia

    Larissa salta para fazer defesa em partida ao lado de Juliana no vôlei de praia

As jogadoras de vôlei de praia poderão esconder um pouco mais o seu corpo durante a disputa dos Jogos Olímpicos de Londres, no meio do ano.

A Federação Internacional de Vôlei anunciou a liberação do uso de shorts e mangas compridas, encerrando a obrigatoriedade de que as atletas tenham de entrar em quadra de biquíni.

De acordo com a agência de notícias Associated Press, a intenção da entidade é respeitar as crenças culturais de cada país. A medida se aplica também ao Circuito Mundial.

“Muitos países classificados para os Jogos têm demandas devido aos aspectos culturais e religiosos, então o uniforme precisou ter maior flexibilidade”, disse Richard Baker, porta-voz da Federação.

No novo regulamento, os shorts podem ter no máximo três centímetros abaixo da cintura. A parte de cima pode ser usada com ou sem mangas.

Os biquínis são tradicionais no vôlei de praia, modalidade que se tornou olímpica em Atlanta, em 1996. O uso de roupas mais conservadoras sempre foi reservado apenas para torneios em locais de clima mais frio.

“Agora as atletas têm escolha. Não são obrigadas a usar biquíni”, completou o porta-voz.

Outra mudança ocorrida no vôlei de praia foi no método de classificação para a Olimpíada. Anteriormente, o ranking mundial favorecia um grupo mais restrito de jogadoras e países. Agora, competições continentais ajudaram a diversificar os selecionados.

Vôlei de Praia
Vôlei de Praia