Natação

Lochte é indiciado por falsa comunicação de crime

AP Photo/Michael Sohn
Ryan Lochte, nadador dos EUA imagem: AP Photo/Michael Sohn

Da AFP

No Rio de Janeiro

O nadador americano Ryan Lochte foi indiciado por "falsa comunicação de crime", por alegar ser vítima de assalto depois de depredar o banheiro de um posto de gasolina durante os Jogos Olímpicos do Rio, informou nesta quinta-feira a Polícia Civil em um comunicado. O inquérito foi encaminhado ao Juizado do Torcedor e dos Grandes Eventos da Justiça do Rio de Janeiro.

O texto também explica que "o delegado responsável pelo caso sugeriu ao Poder Judiciário a expedição de carta rogatória" para que Ryan Lochte seja notificado da decisão nos Estados Unidos.

No dia 14 de agosto, após uma festa, Lochte e os também nadadores Gunnar Bentz, Jack Conger e Jimmy Feigen danificaram um posto de gasolina na Barra da Tijuca e tiveram uma pequena confusão com seguranças do estabelecimento. Após o incidente, os nadadores americanos informaram que foram vítimas de um assalto, posteriormente desmentido com a divulgação das imagens da briga.

Lochte retornou aos Estados Unidos antes dos colegas, quando explodiu a informação de que o assalto não teria acontecido. Os três nadadores tiveram problemas para retornar aos país norte-americano e tiveram de prestar contas com a Justiça brasileira antes de ter a liberação. Para "escaparem", culparam em depoimento o dono de 12 medalhas olímpicas. 

topo